5 exemplos de indicadores financeiros que sua empresa deveria acompanhar

Exemplos indicadores financeiros

Este post foi escrito por Gilles B. de Paula, da empresa Treasy.

Não há dúvidas de que uma das etapas mais importantes na gestão financeira de uma empresa é a análise dos indicadores financeiros, que fornecem ao administrador informações para acompanhar a situação da empresa em qualquer momento.

Com estes indicadores é possível tomar as decisões gerenciais necessárias, ajustando desvios que estejam prejudicando o desempenho dos negócios, ou aproveitar as oportunidades destacadas pelos índices.

Para criar este artigo, utilizamos a regra de Pareto e elencamos 5 exemplos de indicadores financeiros e econômicos fundamentais para gestão empresarial e que ao mesmo tempo são também 5 dos mais simples de serem implantados.

E dizemos que de fácil obtenção, pois podem ser obtidos facilmente por meio da análise do DRE que, provavelmente, você já acompanha em sua empresa. Caso não acompanhe ainda, confira o artigo sobre a importância e benefícios da análise do DRE para sua empresa.

E realizando a avaliação destes indicadores, certamente sua empresa estará tomando decisões gerenciais de forma muito mais adequada e segura, mantendo a boa saúde econômica e financeira do seu negócio.

Veja na sequência como é rápido calculá-los e quantas informações importantes para tomada de decisões você consegue com ajuda destes 5 exemplos de indicadores financeiros fundamentais a gestão econômico-financeira de qualquer empresa.

5 exemplos de indicadores financeiros indispensáveis à gestão empresarial

1. Ticket Médio

O que é: o ticket médio representa o valor médio de cada venda.

Como calcular: basta pegar o volume total de faturamento e dividir pelo volume de vendas fechadas:

Ticket Médio = Faturamento / Vendas

Porque é importante: o ticket médio ajuda a entender melhor seu negócio e descobrir se sua empresa está vendendo itens de maior ou menor valor e descobrir, por exemplo, se deve focar sua estratégia mais na quantidade (caso o carro chefe seja itens de baixo valor) ou na qualidade (se os produtos que mais saem forem de preços mais altos).

Dica: faça a análise do ticket médio em sua empresa também por cliente e por vendedor. Assim você vai ficar sabendo quais são os seus clientes mais (e menos) lucrativos, e quem são melhores (e piores) vendedores de sua equipe. Desta forma sua empresa pode segmentar seus clientes e passar a oferecer um atendimento diferenciado, além de poder recompensar os vendedores com melhor desempenho.

Para saber mais ainda sobre este exemplo de indicador financeiro, ouça esse podcast sobre a importância desse indicador em vendas.

2. Margem de Contribuição

Outro dos exemplos de indicadores financeiros que é fácil de obter, mas que muitos negligenciam em sua operação.

O que é: a Margem de Contribuição representa o quanto o lucro da venda de cada produto contribuirá para a empresa cobrir todos os seus custos e despesas fixas, chamados de custo de estrutura, e ainda gerar lucro.

Como calcular: para encontrar a Margem de Contribuição, basta fazer a seguinte conta:

Margem de Contribuição = Faturamento – (Custos Variáveis + Despesas Variáveis)

Porque é importante: conhecer a Margem de Contribuição que as vendas proporcionam é fundamental para o planejamento de qualquer empresa e essencial para poder tomar decisões relacionadas a investimentos e expansão. Se a MC não for boa o suficiente, a empresa pode estar vendendo bastante e mesmo assim tendo prejuízo.

Dica: alguns itens como comissões sobre vendas ou fretes podem ter grande impacto sobre a MC. Conseguir negociar melhores percentuais pode gerar grande aumento na MC de sua empresa, mesmo que às vezes o percentual pareça pouco. Para saber mais, confira o post completo que fizemos sobre a margem de contribuição, e inclusive disponibilizamos uma planilha gratuita para seu cálculo.

3. Ponto de Equilíbrio

O que é: também chamado de Ponto Crítico de Vendas ou Break-Even-Point, o Ponto de Equilíbrio é o montante mínimo necessário de vendas ou serviços prestados para cobrir todos os custos e despesas da empresa e não ter prejuízo. Portanto, ponto de equilíbrio é quando as vendas igualam-se aos custos e despesas totais, não gerando nem lucro e nem prejuízo.

Como calcular: para calculá-lo, basta somar as despesas fixas mais as despesas financeiras e dividir pela porcentagem da margem de contribuição.

Ponto de Equilíbrio = Custos e Despesas Fixas / Índice da Margem de Contribuição

Porque é importante: o cálculo do Ponto de Equilíbrio auxilia a empresa a saber exatamente qual o mínimo que precisará vender para não dar prejuízo e não há como definir metas de vendas relevantes sem conhece-lo. Seu cálculo é extremamente importante antes de se iniciar uma empresa, para saber o mínimo que a empresa precisará faturar para ser viável. Mas também é fundamental em uma empresa já existente, que se defina as metas mínimas de vendas para que a empresa possa gerar lucro e crescer.

Dica: explicamos em detalhes e passo a passo como calcular o ponto de equilíbrio para sua empresa. Se você estiver iniciando um novo empreendimento ou mesmo planejando um novo exercício em sua empresa atual, não deixe de conferir.

O ponto de equilíbrio é um dos exemplos de indicadores financeiros mais importantes para saber se seu negócio está indo bem. O ideal é usar um gráfico para ter a exata noção do ponto a partir do qual seu montante de vendas está “pagando” a operação.

4. Lucratividade (%)

O que é: este indicador demonstra o poder de ganho da empresa comparando o seu lucro líquido com relação ao seu faturamento total (que pode ser o total de vendas, de serviços ou ambos), ou seja, qual o ganho que a empresa consegue gerar sobre o trabalho que ela desenvolve.

Como calcular: a forma para calcular a lucratividade é:

Lucratividade = (Lucro Líquido / Faturamento) * 100

Porque é importante: a lucratividade nos responde se o negócio está justificando ou não a operação, isto é, se as vendas são suficientes para pagar os custos e despesas e ainda gerar lucro. Além disto, como a lucratividade é dada em percentual, torna-se bastante útil para a comparação de empresas, mesmo de tamanhos ou setores distintos, sendo muito usado por investidores e bancos para análise de financiamentos.

Dica: cuidado para não confundir com rentabilidade. Confira o post sobre a diferença entre rentabilidade e lucratividade e não confunda estes dois exemplos de indicadores financeiros.

5. EBITDA

O que é: o termo EBITDA é o acrônimo em inglês para Earning Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization, ou seja, a sigla por si só, já ajuda bastante a explicar a função do indicador. E fica ainda mais simples se traduzirmos literalmente para português, obtendo o termo LAJIDA, que significa Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização.

Como calcular: o calculo do EBITDA já está em seu próprio nome, mas utilizando uma fórmula teríamos:

EBITDA = Lucro Operacional + Depreciações + Amortizações

Porque é importante: o EBITDA é um indicador possibilita que seja analisado não apenas o resultado final da organização, e sim o processo de geração de valor com um todo. Até por isto, é um indicador bastante também utilizado no mercado de ações, pois possibilita a comparação direta de empresas, até mesmo de setores diferentes, já que com ele é possível avaliar o lucro referente apenas ao negócio, descontando qualquer ganho financeiro (como contratos derivativos, alugueis ou outras rendas que a empresa possa ter gerado no período).

Dica: cada indicador possui uma função específica de análise, com certas “vantagens” e “desvantagens” associadas a essa especialização. E no caso do EBITDA é importante frisar que ele pode dar uma falsa perspectiva sobre a liquidez efetiva da empresa, exatamente por não levar em consideração os possíveis empréstimos e financiamentos tomados para alavancar a operação. Para saber mais sobre o EBITDA, confira este artigo.

Um pouco mais sobre indicadores financeiros…

Se todos esses exemplos de indicadores financeiros não foram suficientes para te convencer sobre a importância e benefícios de sua análise, saiba que está prática é muito útil não somente na gestão da própria empresa, mas também para a obtenção de financiamentos. Os bancos, em geral, analisam a capacidade da empresa de arcar com os encargos de uma eventual dívida através desses mesmos indicadores.

Aliás, a análise de indicadores financeiros também pode ser usada para fornecer informações consistentes para convencer os sócios existentes, ou potenciais, de que é um bom negócio investir mais dinheiro na empresa, entre vários outras utilidades.

Se você quiser saber mais sobre o tema, recomendamos este e-book que o pessoal do Treasy disponibilizou gratuitamente falando sobre indicadores financeiros.

No e-book são abordados indicadores associados à rentabilidade do projeto, como:

  • VPL – Valor Presente Líquido;
  • VPLa – Valor Presente Líquido Anualizado;
  • IBC – Índice Benefício / Custo;
  • ROI – Retorno sobre o Investimento.

Além de indicadores financeiros associados aos riscos do projeto, como:

  • TIR – A Taxa Interna de retorno;
  • Payback – Tempo de recuperação do Investimento;
  • Ponto de Fisher.
Resumo
5 Indicadores financeiros que sua empresa deveria acompanhar
Título do Post
5 Indicadores financeiros que sua empresa deveria acompanhar
Descrição
Se você não sabe se está tendo sucesso na sua empresa, provavelmente não está. Esses 5 indicadores financeiros vão te dar a resposta. Descubra agora!
Autor

Você pode gostar também de...