COO startup: o que faz um COO e quando contratá-lo?

Startup COO

Antes de começar a escrever esse post, li diversos artigos sobre COO e o que me impressionou foi que grande parte deles coloca em xeque essa posição, alardeando a extinção desse cargo em um futuro próximo.

Se você não sabe o que é CCO, significa Chief Operating Officer e é uma espécie de segundo no comando, o cara que toca as operações, sob a orientação do CEO.

Pense o seguinte: na maioria das grandes empresas onde existe um COO, essa pessoa quase sempre é o sucessor natural do CEO para comandar a empresa. Por outro lado, em 2007 58% das 500 maiores empresas do Estados Unidos não tinham um COO.

Essa ideia me parece contraditória: em algumas organizações o COO é visto como o futuro líder, enquanto em outras ele é dispensável a ponto do cargo não existir.

Vamos entender melhor o motivo dessa divergência entre empresas (dando mais ênfase em startups), começando por definir o timing certo de encontrar um COO para Startup para compor a equipe.

Quando contratar um COO para Startup e qual seu papel no negócio?

É importante frisar que não é necessário um COO em startups nos primeiros 2 à 3 anos.

No início da empreitada é necessário colocar a mão na massa, ligar para toneladas de potenciais clientes, receber milhares de portas na cara e é importante que o próprio CEO faça isso.

É dele a responsabilidade de desenhar e implementar uma operação que funcione, e “terceirizar” isso para outra pessoa, afim de se dedicar a estratégia geral, no início de uma startup, é uma péssima decisão.

Quando a operação (vendas + marketing + financeiro) estiver rodando normalmente, mas crescendo de forma acelerada, e as demandas de Stakeholders externos, como investidores e parceiros, começar a crescer, chegou a hora de buscar um COO para a startup.

A falta de um Chefe de Operações nesse momento pode deixar o CEO sobrecarregado, fazendo com que ele negligencie tarefas importantes, internas e externas, e deixe de olhar e se preparar para os desafios de longo prazo que a empresa irá enfrentar.

E qual o papel do COO em uma startup? Ele tem que ser uma locomotiva

“Roubei” essa ideia do CEO da Treasy, um SaaS de gestão orçamentaria e cliente da Meetime, que em nossas conversas costuma usar essa analogia onde existem dois tipos de pessoas dentro das empresas: os vagões que tem sua função específica, e as locomotivas que são responsáveis por “puxar” todos os vagões e levar a empresa adiante.

Pessoas responsáveis pelo papel de locomotiva devem ter a capacidade de inspirar e motivar os demais funcionários, fazer com eles comprem a missão da empresa e superem seus limites para torna-la realidade.

E o responsável pela operação, o COO da startup, deve possuir essa capacidade!

Dessa forma, quando estiver entrevistando candidatos para a vaga de COO, se faça a seguinte pergunta: esse candidato pode ser uma locomotiva dentro da empresa?

Não importa o currículo dele, se a resposta for negativa, ele não serve para o trabalho.

Quais as qualidades indispensáveis a um COO de startup?

Um artigo de Harvard diz que existem 7 tipos de COO, que emergem a partir da necessidade de cada empresa.

Algumas organizações contratam um COO para complementar as habilidades do CEO, outras vezes o cargo é oferecido para um executivo que merece uma promoção e não pode ser perdido para um concorrente.

No caso de COO de startups, que tem como objetivo crescer com velocidade, ele deve possuir algumas habilidades específicas:

Respirar ESCALA:

Startups querem crescer exponencialmente, o que gera uma pressão por escala nas operações. Gerar muito resultado com o mínimo de recursos, e pensar como fazer isso não apenas uma vez, mas todo novo trimestre, é um desafio que poucos profissionais tem a capacidade de enfrentar.

Problem solver:

O fenômeno de “crescimento desordenado” é muito comum em startups, os negócios crescem mais rápido do que a empresa consegue se organizar internamente.

Por isso, ter uma pessoa que consegue prevenir e apagar incêndios de olho nas operações diárias é fundamental.

Líder natural:

Apesar de não ser o principal líder da empresa, na prática o COO da startup é responsável por supervisionar as operações no dia a dia, fazendo com que o CMO, CFO e demais gerentes tenham que se reportar a ele constantemente.

Caso ele não “conquiste” essas pessoas naturalmente, e tenha que usar o poder do cargo para fazer as coisas acontecerem, existe uma tendência dos diretores o ignorarem e buscar conversar diretamente com o CEO.

Liderar pelo exemplo e experiência é o melhor caminho para o chefe de operações.

COO + CEO: um casamento que tem que dar certo

Não pode haver uma batalha de egos ou desentendimentos constantes entre o CEO e o COO da startup.

Isso seria como ter um trem com duas locomotivas, uma puxando os vagões para o norte e a outra para o sul: o CEO normalmente ganharia a batalha porém o resultado seria um crescimento mais lento do que poderia ser se ambas as locomotivas estivessem alinhadas.

O engraçado sobre o cargo de COO em startups: tê-lo no início e nos primeiros passos da empresa é prejudicial, até o ponto em que ter alguém nesse posto é fundamental.

É tarefa do CEO perceber qual o momento certo de trazer um COO à bordo, e encontrar a pessoa certa para o trabalho!

Baixe o nosse eBook de Gestão Avançada para SaaS

Resumo
COO: a segunda locomotiva de uma startup
Título do Post
COO: a segunda locomotiva de uma startup
Descrição
Entenda o que é um COO, quais as responsabilidades e e porque ele é a segunda locomotiva de uma startup. Post completo, com foco em startups! ;)
Autor

Você pode gostar também de...